Real Cores

Com o forte proposito de destruir o ensino superior público, Polícia Federal volta a atacar a UFSC após o suicídio do Reitor.


Em setembro, a PF realizou a Operação Ouvidos Moucos, para investigar um suposto esquema de desvios de recursos de cursos de Educação a Distância (EaD), o que resultou no suicídio do então reitor Luiz Carlos Cancellier.
Segundo a PF cerca de 90 policiais e servidores do TCU e da CGU participam da nova operação. Estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e 6 de condução coercitiva expedidos pela 1ª Vara da Justiça Federal em Florianópolis/SC. Os mandados judiciais estão sendo cumpridos nos municípios de Florianópolis e Balneário Camboriú, em Santa Catarina.
Em vídeo, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) diz que a operação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) "é um desafio, uma provocação". "A impressão que eu tenho é de que é uma provocação que pretende desmoralizar as universidades públicas, fazer o povo crer que são um espaço de corrupção, com a intenção clara de privatizá-las. É a insistente luta contra os interesses do povo brasileiro", afirmou (leia mais).
Já o diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Boaventura de Sousa Santos, um dos maiores intelectuais da atualidade, classificou como "despropositada e ilegal" a condução coercitiva do reitor da UFMG, Jaime Arturo Ramírez. Boaventura pediu que os profissionais "não se deixem intimidar por estes actos de arbítrio por parte das forças anti-democráticas que tomaram conta do poder no Brasil. "Os actos de que são vítimas visam, isso sim, desmoralizar as universidades públicas e preparar o caminho para a sua privatização" (leia mais).

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.