Real Cores

SIMPLES ASSIM: Descobriram um esquema tucano? Acusem um petista


Na semana passada, um dos maiores propinodutos tucanos foi escancarado por uma ação de colaboração entre Suíça e Brasil. O MPF foi informado por autoridades suíças que Paulo Preto, ex-diretor da Dersa, movimentou ao menos R$ 113 milhões – mais de 50 vezes o valor atualizado do tríplex do processo de Lula - no paraíso fiscal europeu. No entanto, antes que a denúncia, tratada com discrição pela mídia e polícia, de fato respingasse no alto-tucanato, mandaram parar as prensas mais uma vez. Nesta segunda-feira, uma operação pirotécnica da Polícia Federal, com presença da rede Globo, cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do petista Jaques Wagner. O nome da operação é Cartão Vermelho, mas poderia ser Operação-Abafa.

A via aberta por Paulo Preto deve atingir em cheio José Serra, mas poderá respingar em tucanos que, disputarão cargos importantes em 2018, como é o caso de Aloysio Nunes e do presidenciável Geraldo Alckmin. Mesmo com o potencial bombástico da informação, sobretudo em ano eleitoral, a mídia manteve o tratamento sóbrio dispensado a denúncias feitas ao partido de Aécio Neves. A já conhecida impunidade também já é esperada: Paulo Preto foi diretor da Dersa entre 2005 e 2010 e agora, próximo de fazer 70 anos – idade em que o prazo para prescrição reduz pela metade -, já há quem duvide de uma condenação.

O tratamento concedido ao petista foi o oposto. Transmissão ao vivo da maior emissora de TV que, aliás, de acordo com Rui Costa, Governador da Bahia, chegou antes da PF à casa de Jaques Wagner, o que pode ter significado um vazamento de informação sigilosa. Importante destacar que a afiliada da emissora no estado, a TV Bahia, é de propriedade da família do prefeito de Salvador ACM Neto. Também de forma oposta ao caso de Paulo Preto, um mandado de prisão foi prontamente solicitado, mas foi negado pela justiça. As propinas que o petista teria recebido, em função da demolição do antigo e construção do novo Estádio Fonte Nova, teriam sido pagas entre 2006 e 2014.

Casos de corrupção, infelizmente, têm sido frequentes, envolvendo, sobretudo, os três maiores partidos da República. No entanto, o peso dado pela mídia e pelas instituições entre os partidos é absurdamente desigual, o que leva a uma desinformação da população e a um sentimento de parcialidade e injustiça. Enquanto o propinoduto de Paulo Preto, descoberto por autoridades estrangeiras, parece caminhar rapidamente para o esquecimento, consagrando a imunidade branca conferida ao PSDB – partido com o incrível número de zero presos em 4 anos de Lava-Jato, é o Partido dos Trabalhadores que, novamente, está na capa dos maiores portais de notícias do país. Pode parecer que não, mas as eleições já começaram. Por 
GUILHERME COUTINHO

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.