Real Cores

Lava Jato derruba multinacionais brasileiras


Os impactos do golpe parlamentar de 2016 e da operação Lava Jato na economia brasileira fizeram o Brasil deixar a liderança no número de multinacionais latino-americana. 
Em 2018, mostra levantamento inédito realizado pelo Boston Consulting Group (BCG), 26 das 100 multinacionais mais relevantes da América Latina são brasileiras, contra 34 em 2009, numa queda de 24% - a maior perda de participação entre os países analisados. Com isso, o país foi ultrapassado pelo México, que se manteve estável com 28 companhias na listagem.
"O Brasil perdeu espaço por um conjunto de fatores. Essa talvez tenha sido uma das décadas mais difíceis para o país em termos macroeconômicos e de instabilidade política e das instituições. Isso acabou afetando bastante as empresas brasileiras, que sofreram em termos de crescimento neste período e também em termos de prospectos futuros", diz Daniel Azevedo, sócio do BCG e um dos autores do estudo.
A Colômbia foi o país que mais ganhou espaço na década, avançando de apenas cinco para 11 "multilatinas". Representando apenas 5% do Produto Interno Bruto (PIB) latino-americano, mas sede de 18% das multinacionais listadas, o Chile continuou a se destacar na internacionalização de seu setor corporativo.
Das 34 companhias brasileiras que constavam da lista "BCG Multilatinas" em 2009, 20 deixaram a relação em 2018. Entre elas, estão muitas das envolvidas desde 2014 nas investigações da operação Lava-Jato. 
Entre as multinacionais brasileiras, apenas 14 das que constavam da lista do BCG em 2009 se mantiveram no levantamento deste ano. Dentre elas, estão Vale, Gerdau, Embraer, Globo e Natura.
As informações são do jornal Valor Econômico

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.