Real Cores

Pais pode parar: Mesmo com acordo entre o Governo e presentantes dos caminhoneiros, paralisação ainda continua

greve dos caminhoneiros, que segue na manhã desta sexta-feira mesmo depois de um acordo com o governo federal, provoca bloqueios em estradas de 24 estados e do Distrito Federal, segundo levantamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Com exceção do Amazonas e do Amapá, todas as unidades federativas brasileiras estão com vias interditadas para a passagem de veículos de transporte de carga.
Ao todo, diz a PRF, são 562 bloqueios em todo o Brasil, por volta das 9h da manhã. O estado que concentra o maior número de interrupções é o Rio Grande do Sul, com 74 ocorrências. Na sequência aparecem o Paraná (69) e Minas Gerais (51).
Na noite de quinta-feira, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (MDB), anunciou um acordo com representantes dos caminhoneiros. Ficou acertado, diz ele, que o governo ampliaria para 30 dias o prazo do desconto de 10% no custo do diesel anunciado pela Petrobras – do 16º dia até o final do mês, com a União cobrindo o rombo no caixa da estatal.
Em troca, os caminhoneiros suspenderiam as manifestações por 15 dias, prazo para o Congresso discutir e aprovar a desoneração de impostos sobre os combustíveis. O custo da prorrogação estimado pelo Governo é de 350 milhões de reais, valor que ainda deverá ser atualizado.
O acordo prevê ainda que a Petrobras vai assegurar periodicidade mínima de 30 dias para eventuais reajustes do combustível nas refinarias. “Nos momentos em que o preço cai e fica abaixo do preço fixado para o diesel na refinaria, a Petrobras passa a ter um crédito que vai reduzir o custo do Tesouro”, disse Guardia.
O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, negou que essas medidas representem uma intervenção na política de preço da Petrobras. “A política de preços continua intacta até a porta da refinaria. Depois, o governo propõe uma política de preços de acordo com a realidade brasileira.”

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.