Real Cores

Impeachment de Dilma Rousseff, mais um imbróglio para Justiça eleitoral








A disputa de uma cadeira ao  Senado Federal pela ex-presidente Dilma Rousseff promete criar mais uma saia justa para a justiça eleitoral.

Em 31 de agosto de 2016, Dilma Rousseff perdeu o cargo de Presidente da República após três meses de tramitação do processo iniciado no Senado, que culminou com uma votação em plenário resultando em 61 votos a favor e 20 contra o impedimento. Porém, em seguida, o Senado rejeitou, por 42 votos a 36, a inabilitação de Dilma para exercer cargos públicos por oito anos, conforme previa a constituição. 


E é justamente este o motivo para todo o alvoroço que está sendo criado e também as dezenas de ações  que advogados de outros políticos, também caçados, mas  que perderam os direitos políticos por oito anos, já começam a ingressar na Justiça Eleitoral buscando os mesmo direitos concedidos a ex-presidente.  

O Jornal Argumento ouviu vários advogados especialistas em direito eleitoral e também alguns juristas. Todos foram enfáticos ao  afirmar que, ao ser impedida de continuar a governar o Brasil, Dilma também deveria ter os direitos políticos caçados.

“Um erro grotesco do senado e que vai custar muita discussão ou até mesmo o impedimento de Dilma concorrer ao senado.” Sentenciou um dos vários advogados ouvidos pelo Jornal Argumento.

O Jornal Argumento verificou no tribunal eleitoral mineiro e também no Tribunal Superior Eleitoral,  e,  até o momento,  não há nenhuma ação ingressada. Mas certamente haverá uma enxurrada de ações pleiteando os mesmos direitos concedidos à Dilma. A discussão apenas começou e como vários políticos que podem ser barrados no TSE registraram as candidaturas, esperam tão somente a negativa do TSE para tentar garantir as candidaturas.

A polemica apenas começou e deve tomar corpo a partir do manifesto da justiça eleitoral negando pedidos de registros. 
Certamente a ação deverá  ser resolvida pelo  Supremo Tribunal Federal por se tratar de um fato insólito e que se confronta com  a constituição brasileira.  





Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.