Real Cores

Procuradora Geral pede a abertura de mais 5 inquéritos para investigar Temer.

Resultado de imagem para foto temer nervoso

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu nesta quarta-feira (19) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de mais cinco inquéritos para investigar o presidente Michel Temer.
Também nesta quarta, Raquel Dodge denunciou Temer pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na edição do chamado decreto dos portos. O presidente nega irregularidades.
Esta é a terceira vez que o presidente é denunciado pelo Ministério Público Federal – caberá à Câmara autorizar a Justiça a analisar o caso. Nas outras duas denúncias, os deputados barraram as investigações, e os processos só serão retomados quando Temer deixar a Presidência.
Raquel Dodge quer que, no dia 1º de janeiro, quando Temer deixar o Planalto, as investigações sobre o presidente sejam enviadas a juízes dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.
A procuradora esclareceu que Temer não poderia ser denunciado por alguns desses fatos porque a Constituição proíbe que um presidente resposta por fatos que não se refiram ao mandato.
"Considerando o iminente fim do mandato da autoridade com foro por prerrogativa funcional perante a Corte Maior, requeiro a instauração de inquérito e seu imediato declínio a partir de 1º de janeiro de 2019", pediu Dodge.

Os inquéritos

Saiba os inquéritos pedidos pela PGR:

- Suspeita de lavagem de dinheiro supostamente cometido pela filha Maristela em reforma de imóvel em São Paulo. Pede que em 1º de janeiro de 2019 o caso vá para continuidade da apuração para Justiça Federal de São Paulo.
- Suspeitas apontadas pelo delator José Antunes Sobrinho de que houve pagamento de R$ 1,1 milhão, em 2014, solicitados por João Baptista Lima Filho e pelo ministro Moreira Franco, com anuência de Michel Temer. Caso tem relação com o esquema investigado na Eletronuclear e Dodge pede que em 1º de janeiro de 2019 ele vá a Justiça Federal do Rio de Janeiro, que já tem inquéritos em andamento sobre a estatal.
- Suspeita de contratação da Argeplan/Concremat pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, com indícios de serviços não prestados e superfaturamento em contrato avaliado em cerca de R$ 100 milhões de reais. Dodge diz que, como Temer era real proprietário da Argeplan, teria usado o cargo. Pede que em 1º de janeiro de 2019 o caso vá para continuidade da apuração para Justiça Federal de São Paulo.
- Suspeitas narradas pelo delator Flávio Calazans e pela auditoria interna da empresa Pérola S/A sobre suposto contrato fictício com Argpelan de prestação de serviço no valor de R$ 375 mil no porto de Santos. Pede que caso vá para Justiça Federal em Santos a partir de 1º de janeiro de 2019.
- Suspeitas de contrato irregular entre a Argeplan Arquitetura e Engenharia e a empresa Fibria Celulose S/A, com valores em torno de R$ 15,5 milhões, além de relações entre a Construbase Engenharia LTDA e a PDA Projeto e Direção Arquitetônica - foram 58 transações, entre 09/09/2010 a 20/08/2015, envolvendo R$ 17.743.218,01. Pede que em 1º de janeiro de 2019 o caso vá para continuidade da apuração para Justiça Federal de São Paulo.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.