Real Cores

Exclusivo: Os ratos na Fazenda de Caiado.






Por mais de um mês, um repórter do Jornal Argumento começou a manter contatos com "alguns representantes da Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás", para constatar uma denuncia feita por um empresário, que não autorizou revelar o nome dele. 


Na Denuncia, o empresário mostrou documentos que atestavam as dividas do Governo de José Eliton que não foram pagas. O empresário revelou  ao Jornal Argumento um "esquema de liberação de pagamentos, mediante a contra partida de 40% do que o governo devia ao empresário. "  Indignado, o denunciante, que negou participar da negociata, denunciou ainda que depois que se negou a participar do "esquema", passou a ter suas empresas visitadas quase todos os dias por pessoas que se passam ou são servidores ou mesmo lobista do governo Caiado, na Secretária da Fazenda. 

A partir das denuncias, o  repórter especializado em investigações de crimes contra o patrimônio,  do Jornal Argumento, conseguiu o contato de dois destes representantes do governo, autorizados a negociar débitos de várias secretárias  do   Estado  com deságio  de 40%. 


O primeiro contato se deu em uma cafeteria muito conhecida por celebrar boas parcerias, ou seja, "Negociatas"  que não podem ser firmadas nas secretarias e autarquias. Antes de dizer quanto tinha a receber e os nomes das secretarias,  o repórter quis conhecer a maneira de como o processo acontecia dentro da Secretária da Fazenda. 

O "Corretor"  garantiu o pagamento em ate 15 dias, no máximo, mas a "comissão"  deveria ser paga com 50% na contratação e mais 50% no pagamento. Para dar mais tranquilidade e confiança de que o sistema funciona mesmo, o "Corretor" mostrou uma lista com oito empresa aproximadamente onde fez a negociata. 

O repórter do Jornal Argumento quis saber mais especificamente os órgãos onde seria mais fácil receber. O negociador disse que não tem dificuldade para receber, seja aonde for. Deu como exemplo a AGETOP, abriu uma pequena agenda com várias anotações, gabando-se de ter conseguido a liberação do pagamento de mais de 80 milhões apenas no mês de fevereiro para empresas que não conseguiram receber  até o fim de dezembro. 

O repórter quis saber se o processo tinha a  garantia de não ser descoberto, pedindo nomes, mas logo foi interrompido  pelo "corretor" que disse que não existem nomes no negocio, existem valores, dinheiro. "Faça o seguinte: me chame de Ademir e saiba que o nome de todos que ajudam os empresários também se chamam Ademir. Qual Ademir resolve a questão?  perguntou o repórter. "É claro que tem um Ademir, que inclusive é pessoa de confiança da Secretária" falou o Corretor,  afirmando que esquema igual ao que ele propôs "tem que ter alguém influente para funcionar."

Prometendo apresentar as cópias das notas fiscais para receber, o Repórter disse que ligaria no outro dia para marcar outro encontro. Como não retornou, o Ademir ligou dizendo que "o dinheiro estava acabando e que deveria resolver logo se tem mesmo a intenção de negociar." 

Toda conversa e anotações recebidas pelo Repórter do Jornal Argumento será entregue ao Ministério Publico. 
        

    

Um comentário:

  1. VERDADEIRO ABSURDO! EMPRESÁRIOS PARA SOBREVIVER NESTE PAÍS COM TANTOS IMPOSTOS TANTA PERSEGUIÇÃO, AINDA ASSIM, TER QUE PASSAR POR UMA DENGRAÇA DESSA MAGNITUDE.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.